SUPER PROMOÇÃO !!!

Para aproveitar esta oportunidade basta mandar um e-mail para

felizpracachorro@felizpracachorro.com.br

ou comprar pelo site:

http://www.futurodopresente.com.br/loja/produtos_descricao.asp?lang=pt_BR&codigo_produto=9

Pague com cartões VISA, depósito ou boleto bancário

Não Perca!

Promoção por tempo limitado ou enquanto durarem os estoques destinados à promoção.

Estamos de casa nova!

Estamos de casa nova.

Para acessar o novo blog do livro Feliz pra Cachorro clique em:

http://www.felizpracachorro.com.br

Nosso blog no Lista 10!

lista10fpc

Depoimento LegAU!

“O Livro, através de uma abordagem simples e gostosa,
esclarece diversas dúvidas e explica com clareza
informações essenciais para quem deseja ter
uma ótima relação com seu cachorro.”
Alexandre Rossi
Zootecnista e especialista em comportamento canino
Autor do livro “Adestramento Inteligente

Cachorro come cocô?

Pois é meus amigos, cachorro pode desenvolver este hábito em algum momento de sua vida. Isso é muito comum e chama-se coprofagia. Mas não é por nojeira como pode parecer.

Existem muitos motivos para isso.

 

As cadelas recém-paridas podem fazer isso para limpar o ninho,  por exemplo.

Os filhotes podem comer para explorar, por pura curiosidade.

Pode ser por alguma deficiência nutricional e aí o melhor é levar ao veterinário para uma avaliação. Essa deficiência pode ser causada por má absorção dos alimentos no intestino fazendo com que eles comam as fezes em busca do nutriente perdido…

Pode estar querendo chamar a atenção ou ainda esconder as fezes do seu dono, se ele for demasiadamente repreendido por deixar seus “presentinhos” soltos por aí.

Pode ser verminose ou alguma doença.

 

Enfim, nem sempre sabemos  claramente os motivos. O importante é observar, cuidar da alimentação, sempre evitando dar dos nossos alimentos para eles, mesmo as furtas, e procurar ajuda em caso de necessidade.

Doação de Cachorro

Muitas vezes, a gente vê por aí pessoas doando seus cães de estimação. E agora me ocorreu que nunca vi gente doar seus gatos… bom, isso eu ainda teria que pesquisar para ver se é verdade, foi só um pensamento. Mas voltando aos cachorros, isso é muito comum. São vários os motivos que levam uma pessoa a se desfazer de seu amigo canino: trabalho excessivo, gastos idem, alergias, gravidez, temperamento agressivo ou destrutivo do cachorro (às vezes do dono…tb), etc. 

Muitos desses motivos poderiam ser prevenidos se antes de adquirir o cachorro a pessoa se informasse a respeito das características da raça, por exemplo. Afinal, se você tem nojo de baba, não deve escolher uma raça que babe. Ou, se você não tem muito dinheiro para gastar, deve investir em raças menos propensas a problemas de pele, olhos ou ouvidos, por exemplo. Ou se você mora em apartamento, deve escolher uma raça que não fique latindo por qualquer motivo. Como podemos ver, a escolha errada, pode nos trazer problemas que nos levará a não mais querer conviver com o cachorro. E muita gente o trata como um ser inanimado e sem sentimentos. O que já sabemos que não é verdade.

Mas tem muita gente que ainda pensa assim: se não der certo eu dou. E não pensa que será um sofrimento enorme para a seu cachorro sair do seu convívio pois seu cachorro já os tem como família. Sem exageros, será uma criança abandonada numa família desconhecida. Por causa do livro que escrevi (http://www.felizpracachorro.com.br/), sou sempre consultada a respeito e sempre falo as mesmas coisas.

E a primeira pergunta é: você sabe quanto tempo vive um cachorro?
E a despesa com alimentação e remédios? Sabe que é por peso? Ou seja, quanto maior mais ele come e mais ele consome em termos de dose de remédio, caso precise? Ou ainda você sabe o tamanho do xixi e do seu cocô, está disposto a limpar? Ou vai soltar na rua para ele fazer cocô na porta dos outros, para que os outros limpem?
A maioria não se faz pergunta nenhuma: acha todos os filhotes fofos e lindos e compra sem pensar que filhote de elefante também é fofo e lindo. O problema é depois que cresce. 

Se realmente não tiver jeito, procure doar para pessoas conhecidas porque eu vi um caso muito triste numa família. Por ter sido doado a um desconhecido, o cachorro foi encontrado abandonado na rua, cheio de doenças (sarnas, bicheiras, pulgas e carrapatos), magro e faminto.
Você imagina o que foi encontrar um cachorro que foi criado em casa com todo amor e carinho nestas condições? Os antigos donos quase morreram de tristeza quando vieram a cadela na rua, chamaram pelo nome e ela atendeu. Nunca mais foi a mesma coisa: nem a cadela, nem a família.
Hoje ela já faleceu, mas com certeza, um dos motivos foi de tristeza. Neste caso, o cachorro foi doado porque foi comprado para ser micro-toy e ele era um poodle normal, de tamanho médio e virou um cachorrão, totalmente fora dos padrões esperado pela família. Além disso, o cachorro foi comprado para ser de uma das filhas. }como ela se comprometeu a cuidar e não cumpriu, acabou sobrando para os pais que não gostaram nada do novo serviço. E isso é muito comum: a criança diz que vai cuidar e não cuida. daí, eu digo: o cachorro é do adulto, se for comprar para a criança cuidar, esqueça.

Doar, tem que ser para alguém que realmente queira, que sabe do trabalho que dá, da despesa e da atenção que demanda. Desculpe mas isso me tocou muito e às vezes a gente não tem dimensão do que as pessoas que a gente não conhece são capazes de fazer. Muitas vezes, nem as que conhecemos.

E se você acha que é exagero, olhe à sua volta, veja a população de cachorros de rua que existe. Com certeza, começaram a partir de cachorros abandonados por seus donos à própria sorte e foram cruzando e gerando mais cachorros. Visite um centro de zoonoses ou associação de proteção animal e verá a quantidade de cachorros abandonados. É triste ver o que somos capazes de fazer.
________________________________________________________________________________
Ana Cláudia Bessa

A Educação

Educar é um ato de amor, de paciência e de respeito. Alguns detalhes são imprescindíveis para que possamos nos comunicar bem com este ser tão especial, mas que é tão diferente de nós.

Não falam a mesma língua que nós. Mas ainda assim, podemos nos comunicar com ele, melhor do que pensamos sem precisarmos ser especialistas em comportamento canino.

E é essa compreensão mútua um dos fatores mais importantes para que a convivência com um cãozinho seja um sucesso.
Para os marinheiros de primeira viagem que, nada sabem, não percam o entusiasmo!

Procure informações.

No livro você vai encontrar alguns conceitos básicos e úteis que irão ajudar a descomplicar a tarefa de ensinar !